Quais as principais influências que a imigração japonesa trouxe para os brasileiros?

Em 1908 atraca o primeiro navio, nomeado Kasato Maru, no porto de Santos recheado de famílias japonesas, essa imigração se deu por conta de um acordo firmado entre os dois países.

Sem familiaridade nenhuma com a língua, clima ou costumes, eles chegaram ao Brasil, aos poucos os imigrantes japoneses se instalam no sudeste brasileiro (em sua maior parte São Paulo e Paraná, por conta das lavouras de café), mesmo com as diferenças culturais, conseguem viver tranquilamente e aprendem a mesclar suas tradições com as nossas em perfeita harmonia.

Mês passado foi comemorado os 110 anos de imigração japonesa e com isso percebemos o quanto de influências existem em nossa cultura com um “Q” de oriental. Quem nunca percebeu que palavras japonesas como, tatame, karaokê entre tantas outras foram incorporadas em nosso vocabulário, mesmo sem sabermos de sua origem?

Mais do que apenas palavras, incorporaram costumes e acrescentaram sabores em nossa culinária, fomos apresentados a legumes e frutas que anteriormente estavam disponíveis como a abóbora cabotcha, caqui doce, maçã Fuji o pepino japonês, rabanete e mexerica poncã essa última é de fato uma mistura do Brasil com o Japão, já que nasceu de um enxerto de tangerina japonesa com um limoeiro brasileiro.

Esses legumes e frutas foram inseridos em nossa mesa porque os japoneses plantavam esses alimentos para consumo próprio, porém foram expandindo e começaram a comercializar para todos em feiras e barraquinhas. Uma curiosidade é que a plantação de soja se popularizou aqui em terras tupiniquins por conta da imigração japonesa, antes da chegada deles existia em pequena escala as plantações em regiões da Bahia, hoje em dia é um grande trunfo para o agronegócio brasileiro.

Nos temperos e iguarias fomos introduzidos a pimenta-do-reino, o wasabi ou raiz forte e o Ajinomoto, sem esquecer do shoyu que usamos para temperar carnes, frangos e saladas. Outro alimento nipônico que nos acostumamos de comer é o broto de feijão ou moyashi como eles dizem, usamos em saladas e no harumaki ou rolinho primavera, prato muito consumido em qualquer restaurante oriental de São Paulo.

A colônia japonesa na capital paulistana é majoritariamente no bairro da liberdade e contém diversos restaurantes e lojas com artigos japoneses, uma curiosidade é que a arquitetura desse local se destaca por ser completamente diferente dos outros bairros da cidade e nos remete a terra do sol nascente, não podemos esquecer que no interior do Paraná foi fundada pelos imigrantes um município chamado Assaí.

Aprendemos também a comer alimentos desidratados, como é o caso do miojo e utilizar o hashi (pauzinhos) além de um acompanhamento que não pode faltar nas mesas é o chá verde e o saquê.

Isso sem contar com os pratos típicos japoneses que adotamos e conseguimos saborear inclusive nos restaurantes a quilo, uma coisa é certa os brasileiros estão acostumados com o consumo dessas iguarias e os bons frutos que vieram da imigração.

Com todas essas influências não podemos negar que os japoneses conseguiram e conseguem a cada dia que passa deixarem suas marcas em nossa cultura e gastronomia, eles trouxeram seus costumes e nós os aceitamos de braços abertos.

Não podemos esquecer que dentre os restaurantes japoneses que conhecemos existem os tradicionais e os modernos que em seus diferenciais estão a inserção de ingredientes novos nos pratos tradicionais os deixando incrivelmente saborosos e com um gosto diferente que cativa o povo brasileiro, esse é o caso do Sassá Sushi, sempre preocupado em trazer o melhor da culinária japonesa, mas sem deixar de lado a criatividade com ingredientes irreverentes, é o caso do uramaki de camarão com ovas de massagô.

Além de todos esses aspectos culturais e gastronômicos, também tivemos uma grande influência nas artes plásticas como o pintor nipo-brasileiro Tikashi Fukushima (1920-2001) que foi um dos pioneiros do movimento abstracionista e foi seguido por grandes nomes atuais, como a japonesa naturalizada brasileira Tomie Ohtake (1913-2015).

Deu para perceber que as influências são muitas, isso porque citamos algumas apenas, e você conhece alguma? Compartilhe nas nossas redes sociais!

Deixe uma resposta